Lição 3
08 a 15 de abril
Sacerdócio real
Sábado à tarde
Ano Bíblico: 2Sm 20, 21
Verso para memorizar: “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas dAquele que os chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9, NVI).
Leituras da semana: 1Pe 2:1-3; Hb 4:12; 1Pe 2:4-8; Is 28:16; Êx 19:3-6; 1Pe 2:5, 9, 10

Imerso na cultura, religião e história judaica, Pedro se referiu aos cristãos a quem escreveu como “nação santa, povo exclusivo de Deus”. Ao fazer isso, ele empregou a linguagem da aliança, usada no Antigo Testamento para se referir ao antigo Israel, e a aplicou à igreja do Novo Testamento.

Isso não é surpresa, pois os cristãos gentios haviam sido “enxertados” no povo da aliança divina. Eles passaram a ser participantes das promessas da aliança. “Se, porém, alguns ramos foram quebrados, e tu, sendo oliveira brava, foste enxertado em meio deles e te tornaste participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; porém, se te gloriares, sabe que não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz, a ti” (Rm 11:17, 18).

Nas passagens bíblicas que estudaremos nesta semana, Pedro ressaltou aos seus leitores a responsabilidade sagrada e a alta vocação que eles tinham como povo da aliança divina, aqueles que, conforme a linguagem de Paulo, haviam sido “enxertados” na oliveira. Assim como o antigo Israel, os cristãos gentios também tinham a responsabilidade de proclamar a grandiosa verdade da salvação oferecida pelo Senhor.

Chegou o dia de iniciar o evangelismo da Semana Santa! Cuidar de pessoas é levar os amigos para Jesus, o Amigo e Salvador de todos. Ore e participe todos os dias!
Domingo, 09 de abril
Ano Bíblico: 2Sm 22–24
Viver como cristão

A primeira palavra de 1 Pedro 2:1 (NVI) é “portanto”. Isso significa que o que se segue é resultado do que vem antes. Como vimos anteriormente, o primeiro capítulo de 1 Pedro foi uma obra-prima a respeito do que Cristo fez por nós e da resposta que devemos dar diante do que Ele fez em nosso favor. No capítulo seguinte, Pedro retomou esse tema e o aprofundou ainda mais.

1. De acordo com 1 Pedro 2:1-3, como devemos viver? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:

A.( ) Abandonando a maldade, a hipocrisia e a inveja, e buscando o verdadeiro alimento espiritual.

B.( ) Deixando de lado o amor, a disciplina e o bom senso.

C.( ) Rejeitando a graça e confiando em nós mesmos.

Pedro utilizou duas imagens distintas para mostrar que o cristão tem um duplo dever. Uma delas é negativa, no sentido de que algumas coisas devem ser abandonadas. A outra é positiva, no sentido de que devemos buscar fazer algo.

Em sua primeira imagem, Pedro exortou os cristãos a se livrarem da maldade, engano, hipocrisia, inveja e toda espécie de maledicência (1Pe 2:1, NVI). Dessa maneira, nosso comportamento como cristãos será diferente da prática de muitas pessoas ao redor. Rejeitando a maldade, não teremos o desejo de prejudicar os outros, mas buscaremos o bem deles. Tendo abandonado a falsidade, não enganaremos o próximo, mas seremos francos e honestos. Não teremos inveja daqueles que têm mais posses do que nós; em vez disso, estaremos contentes com nossa vida e floresceremos onde a Providência nos tem colocado. Também não faremos declarações que prejudiquem deliberadamente a reputação do nosso próximo.

A segunda imagem que Pedro utilizou é a de um bebê ávido por leite (1Pe 2:2), o que apresenta o lado positivo de seu ensino. A vida cristã não é apenas uma questão de abandonar coisas ruins. Uma vida assim seria vazia. Viver o cristianismo significa buscar o alimento espiritual com a mesma intensidade que um bebê faminto chora, pedindo leite. Pedro dirigiu seus leitores à fonte desse alimento espiritual (veja também Hb 4:12; Mt 22:29; 2Tm 3:15-17), a Bíblia. É na Palavra de Deus que podemos crescer espiritual e moralmente, pois nela temos a revelação mais plena possível de Jesus Cristo. Temos em Jesus a maior representação do caráter e da natureza do Deus santo a quem devemos amar e servir.

 

Buscar o alimento espiritual na Palavra nos ajuda a abandonar as más atitudes sobre as quais Pedro nos advertiu?
Segunda-feira, 10 de abril
Ano Bíblico: 1Rs 1, 2
A pedra viva

2. Leia 1 Pedro 2:4-8 (veja também Is 28:16; Sl 118:22; Is 8:14, 15). Que verdade fundamental foi mencionada por Pedro? Como devemos agir em resposta ao sacrifício de Jesus? Assinale a alternativa correta:

A.( ) Jesus é a pedra que não será rejeitada por ninguém.

B.( ) Jesus foi a grande Pedra, mas está morto e não pode nos ajudar em nada.

C.( ) Jesus é a pedra angular, rejeitada por muitos. Devemos nos achegar a Ele e oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus.

Depois de instruir seus leitores a buscar o alimento espiritual, Pedro dirigiu imediatamente a atenção deles para Jesus Cristo, a Pedra viva, muito provavelmente uma referência ao templo de Jerusalém. Em 1 Pedro 2:4-8, ele citou três passagens do Antigo Testamento que ressaltam a importância das pedras angulares. Essas pedras representam a função de Jesus em Sua igreja. Pedro não foi o único a relacionar esses versos a Cristo. O próprio Salvador empregou o Salmo 118:22 na conclusão de uma de Suas parábolas (Mt 21:42). Pedro fez o mesmo em Atos 4:11, em seu discurso à liderança judaica. Paulo usou Isaías 28:16 em Romanos 9:33.

O argumento de Pedro é que, embora Jesus tivesse sido rejeitado e crucificado, Ele havia sido escolhido por Deus para Se tornar a pedra angular da casa espiritual divina. Por isso, os cristãos também são pedras vivas edificadas nessa casa. Ao usar a terminologia da pedra angular e da pedra fundamental, Pedro estava apresentando um retrato da igreja, que é fundada sobre Jesus, mas formada por aqueles que O seguem.

Tornar-se cristão significa passar a fazer parte de uma comunidade cristã ou igreja. Assim como um tijolo deve ser usado para edificar uma estrutura maior, os cristãos também são chamados a ser seguidores de Cristo em comunidade. Um cristão que não adora nem trabalha com outros cristãos para o avanço do reino de Deus é uma contradição. Os cristãos são batizados em Cristo e, sendo batizados nEle, também são batizados em Sua igreja.

Pedro falou também sobre a função da igreja, que é formar um “sacerdócio santo” (1Pe 2:5) que ofereça “sacrifícios espirituais”. No Antigo Testamento, os sacerdotes mediavam entre Deus e Seu povo. Muitas vezes, Pedro e outros autores do Novo Testamento lançaram mão da linguagem do templo e do sacerdócio a fim de apresentar a igreja como templo vivo de Deus, e Seu povo, como sacerdotes desse templo. Pedro mencionou o sistema de culto do Antigo Testamento para revelar verdades sobre a maneira pela qual os cristãos devem viver e agir hoje.

3. Leia 1 Pedro 2:5. O que significa “oferecer sacrifícios espirituais”?

Terça-feira, 11 de abril
Ano Bíblico: 1Rs 3, 4
O povo da aliança de Deus

Em grande parte, Pedro escreveu com base na perspectiva do Antigo Testamento, em que a ideia de aliança era algo central, um tema fundamental para a teologia judaica e cristã.

O que é aliança?

“Aliança” (em hebraico, berit) é uma palavra que descreve um tratado ou acordo formal entre duas partes. Ela podia ser feita entre dois indivíduos, por exemplo, Labão e Jacó em Gênesis 31:44, ou entre dois reis, como no caso de Salomão e Hirão em 1 Reis 5:12 (onde berit é traduzida como “acordo” na NTLH e “tratado” na NVI). Podia ser feita também entre um rei e seu povo, como, por exemplo, Davi e os anciãos de Israel (2Sm 5:3).

Entre essas relações se destaca o relacionamento especial de aliança que existe entre Deus e Seu povo escolhido, os descendentes de Abraão.

4. Leia Gênesis 17:1-4 e Êxodo 2:24; 24:3-8. O que esses textos revelam sobre a aliança que Deus fez com Israel?

O primeiro livro da Bíblia, Gênesis, traz o relato da aliança de Deus com Abraão (Gn 15:9-21; 17:1-26). O Senhor “lembrou-Se” dessa aliança quando resgatou Seu povo da opressão egípcia (Êx 2:24). Ele a renovou nos dias de Moisés quando deu aos filhos de Israel os Dez Mandamentos e outras leis (veja Êx 19:1–24:8, especialmente Êx 24:3-8).

Todavia, as promessas da aliança eram condicionais. “O Senhor determinou que, se eles fossem fiéis na observância de Seus preceitos, Ele os abençoaria em toda a sua colheita e em toda a obra de suas mãos” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 574). Os profetas do Antigo Testamento alertaram repetidamente Israel quanto aos perigos da desobediência à lei de Deus, muitas vezes usando uma linguagem que fazia o povo se lembrar da aliança. Alguns estudiosos sustentam que, com exceção das profecias de Daniel e Apocalipse, muitas profecias bíblicas são condicionais. Isso mostra quanto a obediência é fundamental no tocante às promessas da aliança. As bênçãos estavam condicionadas à obediência à lei de Deus, e a destruição se aplicava somente aos rebeldes.

 

O que significa estar em um relacionamento de aliança com Deus? Quais compromissos esse relacionamento requer de você?
Quarta-feira, 12 de abril
Ano Bíblico: 1Rs 5, 6
Sacerdócio real

Em Êxodo 19, o Senhor disse a Moisés: “Assim falarás à casa de Jacó e anunciarás aos filhos de Israel: Tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águia e vos cheguei a Mim. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a Minha voz e guardardes a Minha aliança, então, sereis a Minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é Minha; vós Me sereis reino de sacerdotes e nação santa” (Êx 19:3-6).

A mensagem do evangelho, revelada milênios antes da cruz, é que Deus redime Seu povo, salvando-o da escravidão do pecado. Em seguida, Ele ordena que O amemos e obedeçamos, como povo especial da aliança diante dEle e do mundo.

5. Leia 1 Pedro 2:5, 9, 10 e Êxodo 19:6. O que Pedro quis dizer quando chamou os cristãos de “sacerdócio real” e de “nação santa” (1Pe 2:9)? Como adventistas do sétimo dia, qual é nosso dever? Complete as lacunas:

O ___________________ de Deus foi escolhido para ser uma luz ao ___________________; fomos ___________________ para ___________________ as grandezas dAquele que nos chamou das ___________________ para a Sua maravilhosa luz.

“Casa espiritual”, “geração eleita”, “sacerdócio real” e “povo exclusivo de Deus” são expressões de honra. Elas descrevem o relacionamento especial que o Senhor tinha com os descendentes de Abraão. Pedro usou a mesma linguagem da aliança e a aplicou aos membros da igreja no contexto do Novo Testamento, de Jesus e da cruz. As promessas da aliança feitas a Israel haviam sido estendidas não apenas aos judeus que acreditavam em Jesus, mas também aos cristãos gentios. Por meio dEle, os gentios também podiam se declarar filhos de Abraão. “Se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa” (Gl 3:29). Por meio dEle, qualquer pessoa pode fazer parte desse “sacerdócio real”, independentemente de seu nascimento.

 

Nação santa. Sacerdócio real. Qual é o significado dessas expressões no que diz respeito ao nosso estilo de vida, no aspecto individual e coletivo? Como podemos viver mais de acordo com essa alta vocação?
Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site reavivados.org/
Quinta-feira, 13 de abril
Ano Bíblico: 1Rs 7, 8
Proclamando os louvores

Os paralelos com a igreja do Antigo Testamento não incluem apenas a salvação e o fato de que somos chamados e eleitos por Deus. A pergunta é: fomos chamados e escolhidos para quê? Pedro nos deu prontamente a resposta.

Ele ressaltou que nosso relacionamento especial com Deus tem um propósito. Os cristãos devem proclamar “as virtudes dAquele que [os] chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9). Esse era o dever do antigo Israel. Deus os havia chamado para que testemunhassem dEle ao mundo. Seu propósito era abençoar toda a Terra por meio do antigo Israel, Seu povo da aliança.

6. O que os seguintes textos têm em comum? Dt 4:6; 26:18, 19; Is 60:1-3; Zc 8:23

A.( ) A missão de evangelizar o mundo por meio do testemunho.

B.( ) A desobediência aos dez mandamentos.

Como povo da aliança, o antigo Israel tinha a missão de alcançar o mundo com o evangelho, a salvação oferecida pelo Senhor. Os cristãos têm a mesma missão divina. Somos chamados a compartilhar nossa experiência e conhecimento de Deus e o que Ele fez ao mundo por meio de Cristo.

7. Leia 1 Pedro 2:10. Por que o conteúdo desse verso é fundamental para a missão e o propósito dos cristãos? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:

A.( ) Porque nos lembra de que, por nossas próprias forças, podemos alcançar a salvação e evangelizar as pessoas.

B.( ) Porque mostra que estávamos perdidos e não podíamos nos salvar. Mas, pela Sua misericórdia, Deus nos constituiu Seu povo.

C.( ) Porque revela que a missão de evangelizar depende unicamente de Deus.

O mundo está mergulhado no pecado, na morte e na iminente destruição. Porém, Jesus deu a vida para nos salvar dessa ruína. No entanto, assim como no caso do antigo Israel, honra também significa responsabilidade. Nós, cristãos, temos um status muito elevado; somos o povo de Deus. Isso nos traz a responsabilidade de convidar outras pessoas a compartilhar desse status. Em 1 Pedro 2:10, o apóstolo afirmou que os cristãos agora eram o povo especial de Deus. Antes, eles não eram considerados povo, mas receberam misericórdia para se tornar povo santo (veja Os 1; 2). Na Bíblia, “santo” geralmente significa “separado” para o propósito da adoração. Portanto, como nação “santa”, devemos nos separar do mundo, uma distinção vista em nosso estilo de vida. Também devemos ser como uma fogueira em noite fria, atraindo outros ao nosso calor. Recebemos a incumbência de compartilhar a gloriosa salvação da qual temos participado.

Sexta-feira, 14 de abril
Ano Bíblico: 1Rs 9, 10
Estudo adicional

A igreja é muito preciosa aos olhos de Deus. Ele não a avalia por suas vantagens exteriores, mas pela sincera piedade que a distingue do mundo. Estima-a segundo o crescimento dos membros no conhecimento de Cristo, segundo o progresso na experiência espiritual”.

“Cristo anseia receber de Sua vinha os frutos da santidade e altruísmo. Espera os princípios de amor e benignidade. Toda a beleza da arte não pode ser comparada à do temperamento e caráter que devem ser revelados nos representantes de Cristo. É a atmosfera de graça que circunda o cristão, o Espírito Santo que atua em sua mente e coração, que o torna um cheiro de vida para vida, e possibilita que Deus abençoe sua obra” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 298).

Perguntas para reflexão

1. O que significa ser chamado das trevas para “Sua maravilhosa luz”? O que são trevas? O que é luz?

2. “Eis que vos tenho ensinado estatutos e juízos, como me mandou o Senhor, meu Deus, para que assim façais no meio da terra que passais a possuir. Guardai-os, pois, e cumpri-os, porque isto será a vossa sabedoria e o vosso entendimento perante os olhos dos povos que, ouvindo todos estes estatutos, dirão: Certamente, este grande povo é gente sábia e inteligente. Pois que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o Senhor, nosso Deus, todas as vezes que O invocamos? E que grande nação há que tenha estatutos e juízos tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho?” (Dt 4:5-8). De que maneira essas palavras se aplicam a nós, adventistas do sétimo dia? O que Deus nos chamou para fazer?

3. O que Pedro quis dizer com a seguinte frase: “Se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso” (1Pe 2:3)? Você já “experimentou” a bondade do Senhor?

4. O que torna a igreja adventista tão atrativa aos que não conhecem o que cremos?

Respostas e tarefas para a semana: 1. V; F; F. 2. C. 3. Com antecedência, escolha um aluno para estudar o tema dos “sacrifícios espirituais”. Peça que ele compartilhe suas conclusões com os outros membros da classe. 4. Com antecedência, escolha três alunos para estudar sobre a aliança mencionada nas passagens. Dê um texto bíblico a cada um deles. No sábado, peça que expliquem as características da aliança feita com Abraão, relembrada na libertação do povo de Israel da opressão egípcia e reafirmada por meio de Moisés no monte Sinai. 5. Povo – mundo – eleitos – anunciar – trevas. 6. A. 7. F; V; F.

 

Resumo da Lição 3
Sacerdócio real

TEXTO-CHAVE: 1 Pedro 2:4, 5, 9, 10

O ALUNO DEVERÁ

Conhecer: Seu nobre chamado para pertencer ao povo da aliança de Deus.

Sentir: Estimar a posição especial para a qual Deus chamou Sua comunidade da aliança, uma “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus” (1Pe 2:9, NVI).

Fazer: Cumprir os propósitos para os quais Deus chamou Seu povo.

ESBOÇO

I. Conhecer: Sacerdócio real, nação santa

A. O que significa ser pedras vivas em uma casa espiritual edificada sobre a Pedra angular, escolhida e preciosa, a Pedra viva?

B. O que podemos inferir pela expressão “sacerdócio real, nação santa” (1Pe 2:9)?

II. Sentir: Identificação com a comunidade de Cristo

A. Qual é a sensação de ser cortado da mesma Rocha (compare com Is 51:1) e edificado na mesma casa que a Pedra angular?

B. Uma vez que percebemos que somos cortados da mesma Rocha, como nos comportamos?

III. Fazer: Proclamar as virtudes

A. Como Pedro descreveu os propósitos para os quais Deus havia chamado Seu povo da aliança?

B. De que maneira estamos cumprindo os propósitos para os quais Deus nos chamou?

RESUMO: Pedro citou várias passagens do Antigo Testamento a fim de lembrar seus leitores de sua posição especial diante de Deus como membros da comunidade da nova aliança, sendo eles a continuidade do povo da aliança do Antigo Testamento, edificados sobre o mesmo fundamento, o Messias.

Ciclo do aprendizado

Motivação

Focalizando as Escrituras: 1 Pedro 2:4, 5

Conceito-chave para o crescimento espiritual: Recebemos nossa identidade espiritual de Cristo, a Pedra viva, angular, escolhida e preciosa. Como pedras vivas, cortadas da mesma Rocha (Is 51:1), estamos sendo utilizados na edificação de uma casa espiritual com o propósito de oferecer, como sacerdócio real, sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus por meio de Jesus. Em Sua misericórdia, o Senhor nos elegeu para Si mesmo para que sejamos sacerdócio real, nação santa, a fim de proclamarmos as virtudes dAquele que nos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz. Essa declaração de aliança nos remete a Êxodo 19:5, 6, criando uma continuidade entre o povo da aliança de Deus do Antigo Testamento e Seu povo da aliança do Novo Testamento.

Para o professor: É muito importante dar atenção às citações e alusões que Pedro fez ao Antigo Testamento. Ele citou, respectivamente, Isaías 28:16, Salmo 118:22, Isaías 8:14 e Êxodo 19:5, 6.

Estude essas passagens e o uso que Pedro fez delas para ensinar verdades que seus leitores precisavam compreender. Como Jesus utilizou os versos referentes à Pedra para Se referir a Si mesmo como o Messias rejeitado? (Veja Mt 21:42; Mc 12:10; Lc 20:17). Como Pedro usou a mesma ideia em Atos 4:11? Qual uso Paulo fez dessa ideia em Efésios 2:20? Quais alusões a Êxodo 19:5, 6 são feitas em Apocalipse 1:6; 5:10; 20:6?

Discussão e atividade inicial: Peça que os alunos leiam juntos 1 Pedro 2:4-6 e Isaías 51:1. Discutam a relação implícita entre a Pedra viva, escolhida, preciosa e angular, e as pedras vivas utilizadas na edificação de uma casa espiritual a fim de que possam oferecer sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus por meio de Jesus Cristo.

Compreensão

Para o professor: Considere a transição ocorrida entre os versículos 1-3 e os versículos 4, 5 de
1 Pedro 2. Os versos 1-3 concluem a seção anterior, que fala da regeneração “mediante a Palavra de Deus, que é viva e permanente” (1Pe 1:23). Os leitores de Pedro foram exortados, “como crianças recém-nascidas”, a desejar “o leite espiritual puro, para que por meio dele” crescessem “para a salvação, agora que provaram que o Senhor é bom” (1Pe 2:2, 3, NVI).

Todavia, a metáfora muda à medida que Pedro passa para a próxima seção, em 1 Pedro 2:4, 5. De repente, seus leitores não eram mais crianças, mas pedras vivas utilizadas na edificação de uma casa espiritual. Eles também eram sacerdotes santos que ofereciam sacrifícios espirituais a Deus. Essa última metáfora continua em 1 Pedro 2:9, visto que os cristãos são descritos como “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus” (NVI), consolidando a linguagem da aliança do Antigo Testamento.

Comentário bíblico

I. Crianças recém-nascidas desejando o puro leite espiritual

(Recapitule com a classe 1 Pedro 2:1-3.)

Pedro exortou os que haviam sido regenerados mediante a Palavra de Deus (1Pe 1:23) e provado que o Senhor é bom (1Pe 2:3) a desejar, como crianças recém-nascidas, o puro leite espiritual que produziria neles crescimento espiritual. Um paralelo com 2 Pedro 3:18 sugere que o puro leite espiritual é o conhecimento de Jesus Cristo como Senhor, bem como o recebimento de Sua graça. (A exortação de Pedro para que eles desejassem o puro leite espiritual não deve ser entendida como se estivesse em conflito com a crítica de Paulo, em 1 Coríntios 3:1, 2 e Hebreus 5:12-14, acerca dos que não conseguiam comer alimentos sólidos à medida que cresciam. Pedro estava se referindo ao contexto da regeneração.)

Pense nisto: Quais características de maturidade espiritual identificadas por Pedro tenho manifestado em minha vida? Como tornar o estudo da Palavra de Deus uma prioridade para mim?

II. Pedras vivas usadas na edificação de uma casa espiritual

(Recapitule com a classe 1 Pedro 2:4, 5.)

Pedro começou esta seção de sua carta com as palavras: “À medida que se aproximam dEle, a Pedra viva” (1Pe 2:4, NIV), em referência ao Senhor, mencionado no versículo 3. Isso cria o pretexto para o que vem em seguida: “Vocês também estão sendo utilizados como pedras vivas na edificação de uma casa espiritual” (1Pe 2:5, NVI). Não é possível ser utilizado na edificação de uma casa espiritual sem antes ir ao encontro do Senhor Jesus Cristo. Assim como Ele é a Pedra viva, somos também “como pedras vivas” (1Pe 2:5, NVI), cortadas da mesma Rocha (Is 51:1). Ele é a Pedra angular, eleita e preciosa (1Pe 2:6) da casa espiritual na qual estamos sendo edificados. A pedra angular é aquela a partir da qual se mede, se apruma e se esquadra todo o restante do edifício. Os cristãos também devem ser “sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo” (1Pe 2:5, NVI). A respeito dos sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, veja os Salmos 4:5; 51:17; 107:22; Romanos 12:1 e Hebreus 13:15, 16.

Pense nisto: De que maneira estou sendo utilizado na edificação de uma casa espiritual para Deus? Quais sacrifícios espirituais estou oferecendo ao Senhor como membro de um sacerdócio santo?

III. Um povo escolhido por Deus e para Ele

(Recapitule com a classe 1 Pedro 2:9-12.)

Nas Escrituras, Deus escolhe e chama; as pessoas respondem. Os que respondem positivamente são chamados de “escolhidos” ou “eleitos”. Jesus disse: “Muitos são chamados, mas poucos, escolhidos” (Mt 22:14). O fato de que Pedro chamou seus leitores de “geração eleita” (1Pe 2:9, NIV) sugere que eles haviam atendido ao chamado de Deus e entrado em um relacionamento de aliança com Ele.

As expressões “sacerdócio real, nação santa” referem-se a Êxodo 19:5, 6, em que Deus disse aos israelitas que, se eles guardassem Sua aliança, seriam “reino de sacerdotes e nação santa” ao Senhor. Essa declaração não significa que todos seriam sacerdotes, capazes de servir diante da presença de Deus no templo. Em vez disso, esperava-se que Seu povo, como “sacerdócio santo” (1Pe 2:5), oferecesse sacrifícios espirituais, como louvor, alegria, boas obras e serviço aos outros (veja Hb 13:15, 16).

Portanto, Pedro declarou que os cristãos foram escolhidos para proclamar “as virtudes
dAquele que” os havia chamado “das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9). A possibilidade de prestar esse serviço se devia à grande misericórdia e graça de Deus em escolhê-los (1Pe 2:10). O dom de Sua misericordiosa graça na alma faz com que vivamos piedosamente diante do mundo, para a Sua glória (1Pe 2:11, 12).

Pense nisto: Nessas passagens, Pedro relacionou a igreja ao antigo Israel, o povo da aliança de Deus. Você sente uma conexão com o Israel histórico? E com suas raízes adventistas?

Perguntas para discussão

1. Quanto temos desejado o puro leite espiritual?

2. Podemos provar que estamos sendo utilizados como pedras vivas na edificação de uma casa espiritual?

3. Como membros de um sacerdócio santo, quais sacrifícios espirituais estamos oferecendo a Deus diariamente? Estamos glorificando Aquele que nos chamou das trevas para a Sua luz?

Aplicação

Para o professor: Em O Desejado de Todas as Nações, p. 597, 598, Ellen G. White apresentou o contexto histórico da pedra angular. A profecia de Isaías está baseada em um fato ocorrido na edificação do templo de Salomão. Uma grande pedra, de tamanho incomum e formato peculiar, havia sido preparada para ser a pedra angular. No entanto, quando tinha sido trazida para o canteiro de obras, os trabalhadores a rejeitaram. Em seu lugar, selecionaram outras pedras, porém nenhuma conseguiu satisfazer as exigências do clima e da pressão. Finalmente, a pedra rejeitada foi trazida de volta. Ela atendia a todas as exigências que lhe haviam sido impostas. Verificou-se que essa pedra se encaixava perfeitamente naquele espaço e ela foi aceita como a pedra angular do templo. “Em profética visão, foi mostrado a Isaías que essa pedra era um símbolo de Cristo” (p. 598).

Perguntas para reflexão

1. Tenho demonstrado ser uma pedra viva, utilizada na edificação de uma casa espiritual?

2. O que significa fazer parte de um sacerdócio real e de uma nação santa?

3. Como podemos nos desviar para não tropeçar na Pedra viva, a preciosa Pedra angular?

Atividade: Permita que os membros da classe expressem seu louvor a Deus por terem sido chamados das trevas para Sua maravilhosa luz.

Criatividade e atividades práticas

Para o professor: Familiarizar-se com as ferramentas e os métodos de um pedreiro pode ser algo proveitoso aos alunos. Sempre utilizamos um ângulo base para começar a construir um edifício de pedras. É fundamental que a primeira pedra esteja devidamente esquadrada horizontal e verticalmente, visto que todas as outras serão alinhadas de acordo com a pedra angular. Cordas são esticadas verticalmente ao longo da extremidade superior da pedra após ela ser nivelada na posição correta. Um prumo no ângulo estabelece uma linha vertical exata. A distância entre a linhas horizontal e vertical é determinada por uma trena. Originalmente, grandes pedras chamadas “pedras de cantaria” eram cortadas da pedreira e colocadas umas sobre as outras sem argamassa. Seu tamanho e peso as mantinha no lugar. Às vezes era derramado chumbo derretido nos chanfros adjacentes da parte superior para fixá-las no lugar, uma vez encaixadas.

Atividade: Compare as duas metáforas da igreja: a construção de um edifício, em Efésios 2:19-22, a um corpo em desenvolvimento, em Efésios 4:12-16. Em cada metáfora, como os membros precisam se adaptar à respectiva estrutura para que haja crescimento efetivo? De que maneira as pedras vivas se ajustam?

Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?

O legado de Leo – parte 1

Bienvevu

“Você, se tornar cristão?”, reagiram com alguma ironia, os familiares de Bienvevu [pronuncia-se Bianvevi]. “Isso é impossível!”

Leo, irmão mais novo de Bienvevu, tinha apenas 12 anos quando morreu afogado. Bienvevu o amava muito e se sentiu desnorteado. Então, começou a beber e a usar drogas, tentando aliviar a dor.

Ele não era cristão quando Leo morreu, mas junto ao irmão mais velho, René, estudava a Bíblia com um membro da igreja adventista. Ambos planejavam ser batizados em breve.

O funeral de Leo foi uma experiência dolorosa para Bienvevu, mas houve um momento acalentador. Todos os membros da igreja adventista se aproximaram para ajudar, celebrar a vida e se despedir. Providenciaram uma grande tenda, cadeiras, comida e cantaram hinos para confortar a família. Todos ficaram muito tocados pelo apoio.

Acidente providencial

René foi batizado pouco depois do funeral de Leo. Vivendo silenciosamente a fé, ele nunca criticou o comportamento de Bienvevu, que se aprofundava cada vez mais no abuso de drogas e na depressão.

Certa noite, Bienvevu foi a um clube com o amigo Rachidy. Ficaram bêbados e sofreram um acidente no caminho de volta para casa. Ele não se lembrava da experiência. Somente olhava para o carro e se perguntava como haviam sobrevivido.

Algumas semanas depois, Rachidy e Bienvevu estavam falando sobre o acidente. “Meu avô disse que estou vivo por sua causa”, o amigo declarou.

“Vivo por minha causa?”, Bienvevu perguntou surpreso. “Por que ele disse isso? Quase matei você!”

“Meu avô acredita em espíritos que têm grandes poderes”, respondeu Rachidy. “Ele acredita que um deles não queria que você morresse.”

Bievenvu e Rachidy ficaram em silêncio, enquanto meditavam naquelas palavras. “Tenho que ir”, ele disse finalmente. “Há algo que preciso fazer.” Ao chegar em casa, leu a Bíblia pela primeira vez, depois de muitos meses. A Palavra de Deus derramou luz nas profundezas do seu desespero.

“Senhor, Tu salvaste minha vida!”, orou. “Quero Te entregar meu coração como Leo fez!”

Durante os meses seguintes, ele passou tempo com Deus diariamente. Ao ler a Bíblia e os livros de Ellen White, seu coração foi atraído para o sábado e ele decidiu ser adventista do sétimo dia.

“Quero ser batizado!”

No sábado seguinte, Bienvevu foi à igreja e não perdeu tempo em expressar sua intenção. “Quero ser batizado!”, disse, enquanto apertava a mão do recepcionista, que o olhou curiosamente e pediu que esperasse, enquanto chamava um ancião.

Em alguns minutos, um senhor se aproximou. “Entendi que você quer ser batizado”, disse ele.

“Sim, senhor, eu quero!”

“Ser batizado é uma coisa maravilhosa, mas acho que, primeiramente, você deve entender o que creem os adventistas do sétimo dia. Começaremos uma série de cultos amanhã. Você é nosso convidado especial!”

Bienvevu assistiu às reuniões todas as noites e, por fim, anunciou à família que seria batizado no sábado seguinte. Ele não havia contado sobre a recente conversão. Portanto, compreensivelmente, não acreditaram. “Você vai virar cristão?”, eles reagiram. “Isso é impossível!”

Na manhã de sábado, o pastor pediu que os candidatos ao batismo se levantassem, para que os membros da igreja os recebessem. Ao se levantar, Bienvevu ficou surpreso e feliz ao ver que sua família estava presente.

“Renê sabia que você estava dizendo a verdade”, disse a mãe posteriormente. “Ele acreditava que você se tornaria cristão, porque ele nunca deixou de orar por você.”

De volta à escola

Quando bebia, Bienvevu fez muitas escolhas ruins, entre as quais abandonar os estudos. Depois, ele desejou conseguir emprego para ajudar a sustentar a família, mas ninguém quis contratar uma pessoa sem escolaridade.

Certo sábado, na igreja, Bienvevu inclinou a cabeça e orou. “Senhor, sei que cometi erros. Não estou pedindo muito, apenas um trabalho que me ajude a ganhar meu pão de cada dia.”

Naquela noite, um dos membros da igreja lhe ofereceu emprego em seu restaurante. Ele trabalhou com afinco, até que conseguiu a quantia necessária para voltar aos estudos.

Ao terminar os estudos, encontrou um ótimo trabalho. Parecia que, finalmente, tudo estava indo bem. Seus pais recebiam estudos bíblicos para se juntarem à igreja adventista, e ele estava muito bem financeiramente. Então, de repente, o pai morreu e Bienvevu descobriu que, para manter o emprego, precisaria fazer coisas proibidas por Deus.

Continua.

Resumo missionário

  • Max Pierre serviu como presidente da Missão Adventista do Gabão durante a década de 1990. Seus esforços evangelísticos ajudaram a jovem igreja a crescer.
  • Existem 3.041 adventistas em 18 igrejas e 10 grupos no Gabão

 

 

Comentário da Lição da Escola Sabatina – 2º trimestre de 2017
Tema geral: “Apascenta as Minhas ovelhas”: 1 e 2 Pedro
Lição 3: 8 a 15 de abril
Sacerdócio real

Autor: Moisés Mattos

Editor: André Oliveira Santos: andre.oliveira@cpb.com.br

Revisora: Josiéli Nóbrega

Além deste comentário escrito, o Pr Moisés Mattos publica a cada semana um esboço para professores, em sua página do facebook (https://www.facebook.com/classedeprofessores/) e no Youtube (https://www.youtube.com/channel/UCLjNImiw8T4HieefHrrTOxA)

Introdução: O tema da semana tem por base o texto de 1 Pedro 2:1-12 e pode ser esboçado da seguinte maneira:

I - Coisas que devem ser abandonadas pelos cristãos (1Pe 2:1)

II - Coisas que devem ser buscadas pelos cristãos (1Pe 2:2, 3)

III - Coisas que devem ser entendidas pelos cristãos – (1Pe 2:4-12)

Nesse capítulo o autor retoma o que havia iniciado no anterior. Nas passagens bíblicas que estudaremos, Pedro ressaltou aos seus leitores a responsabilidade sagrada e a alta vocação que eles tinham como o povo da aliança divina, aquele que, conforme a linguagem de Paulo, havia sido “enxertado” na oliveira (Rm 11:17). Assim como o antigo Israel, os cristãos gentios também tinham a responsabilidade de proclamar a grandiosa verdade da salvação oferecida pelo Senhor.

I - Coisas que devem ser abandonadas pelos cristãos

O capítulo 2 começa com um apelo para que os cristãos abandonem práticas contrárias à natureza de Deus. “Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações” (1Pe 2:1).

Ele escreveu sobre malícia ou maldade. Em grego a palavra é kakia, “depravação”, “torpeza”, incluindo todo tipo de vício e maldade.

Falou também de “engano” ou dolo. Do grego dolos, “traição”, “artimanha”. Ele foi além, falando de fingimentos ou hipocrisias, usando a expressão grega hupokriseis, cujo significado é encenação. E concluiu com o termo maledicência, ou “difamação aberta”. De acordo com Pedro, é preciso se despojar dessas coisas “para que o genuíno leite espiritual” (v. 2) se torne eficaz” (Comentário Bíblico Adventista, v. 7, p. 610).

II - Coisas que devem ser buscadas pelos cristãos

“Como crianças recém-nascidas, desejem de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçam para a salvação” (1Pe 2:2).

Pedro incentivou seus irmãos a uma busca incessante da Palavra de Deus para o crescimento espiritual deles. Ele não estava pensando em leite natural, mas na consistência da Palavra de Deus que pode nutrir a vida cristã.

“A Palavra de Deus foi retratada anteriormente como a “semente” que produz novo nascimento espiritual (1:23); aqui é comparada ao “leite” que gera crescimento espiritual” (Bíblia Andrews, p. 1619).

III - Coisas que os cristãos devem entender

A partir do verso 4, Pedro falou de alguns temas que deveriam ser entendidos pelos seus leitores, fossem eles judeus convertidos ao cristianismo ou gentios que haviam aceitado a fé em Jesus Cristo. Ele discorreu sobre assuntos próprios do mundo judaico, mas que ele aplicou ao mundo cristão. Quais são esses temas?

  1. Cristo como a pedra (v. 4-8) – Os judeus entendiam a importância de uma pedra colocada em uma construção para conferir força e direcionamento à edificação. Da mesma forma, Jesus é visto como a pedra que, embora rejeitada pelos homens, é na verdade a pedra viva (v. 4), angular (v. 6), sobre a qual somos edificados, formando a casa de Deus (v. 6). Para os que O aceitam Jesus é a pedra viva (v. 4). Relacionar-se com Ele significa viver. Mas para os que O rejeitam Ele é a pedra de tropeço (v. 7, 8).
  2. Nação santa, sacerdócio real, povo de propriedade exclusiva de Deus (v. 9) –Palavras emprestadas de Êxodo 19:6, inicialmente aplicadas a Israel, que devia ser uma nação separada das práticas pagãs e com um sacerdócio designado para ensinar, abençoar e oferecer sacrifícios a Deus.

Pedro aplicou essas expressões aos cristãos, que agora são chamados para representar Deus perante o mundo e oferecer “sacrifícios espirituais” como ações de graças e louvores (v. 5).

  1. Aliança – As expressões “casa espiritual”, “geração eleita”, “sacerdócio real” e “povo exclusivo de Deus” são de honra. Elas descrevem o relacionamento especial que o Senhor tinha com os descendentes de Abraão. Pedro usou a mesma linguagem da aliança e a aplicou aos membros da igreja no contexto do Novo Testamento, de Jesus e da cruz. As promessas da aliança feitas a Israel haviam sido estendidas não apenas aos judeus que acreditavam em Jesus, mas também aos cristãos gentios. Por meio dEle, os gentios também podiam se declarar filhos de Abraão. “Se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa” (Gl 3:29). Por meio dEle, qualquer pessoa pode fazer parte desse “sacerdocio real”, independentemente de seu nascimento.” (Lição de quarta-feira).
  2. Missão – O texto termina com um componente missionário. O apóstolo explicou o propósito de Deus ao chamar um povo para ser Seu: proclamar as Suas virtudes ao mundo. Isso nos remete às seguintes palavras inspiradas de Ellen White: “A igreja é o instrumento apontado por Deus para a salvação dos homens. Foi organizada para servir e sua missão é levar o evangelho ao mundo. Desde o princípio tem sido plano de Deus que, através de Sua igreja, seja refletida para o mundo Sua plenitude e suficiência. Aos membros da igreja, a quem Ele chamou das trevas para Sua maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória” (Atos dos Apóstolos, p. 9).

“A Bíblia não manda que os pecadores procurem a igreja, mas ordena que a igreja saia em busca dos pecadores.” (Billy Graham)

Conclusão

A Bíblia apresenta uma série de figuras que esclarecem o conceito e a missão da igreja. Uma das primeiras é a família. Isso porque a igreja se constitui numa grande família: a família de Deus. Não há mais estranhos, todos são irmãos; nossas diferenças não podem mais nos separar, pois temos um só Deus e Pai de todos (Ef 4:6). “Não somos mais estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e somos da família de Deus” (Ef 2:20).

Compreender a igreja como família é de fundamental importância, tanto para revelar o ambiente fraternal e acolhedor, como para superar as dificuldades e dissabores. Num lar encontramos apoio, solidariedade e alegria. Contudo, também, podemos encontrar divergências. O que distingue a família de outro tipo de sociedade é que as diferenças podem ser expostas, na busca de um ideal comum, respeitando-se cada parte. Na igreja acontece o mesmo. Por isso, não podemos perder de vista a unidade do Espírito.

A segunda é a expressão “corpo de Cristo”. Mais do que membros de uma igreja, somos parte de um corpo vivo. Sim, a igreja é o corpo vivo de Cristo. Nossa profissão de fé assevera que Cristo Se encarnou, realizou Seu ministério terrestre e morreu na cruz para nos salvar.

Finalmente a igreja é vista como o povo de Deus. Para falar desse aspecto somos remetidos a 1 Pedro 2:9, que diz: “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes dAquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz.”

A igreja como família de Deus e corpo de Cristo manifesta uma realidade interna de convivência e edificação. Mas tudo isso tem em vista a missão de anunciar o evangelho de Cristo a toda criatura. Como povo de Deus, mais do que privilégios, temos responsabilidades. O Senhor Deus nos constituiu para proclamarmos as Suas virtudes, as Suas obras, o Seu grande amor, a Sua salvação. É agindo em conformidade com esse desafio que efetivamente somos a igreja de Cristo.

Autor do comentário: Moisés Mattos graduou-se em teologia em 1989 e concluiu seu mestrado na mesma área no ano 2000, pelo Seminário Adventista Latino Americano de Teologia. Cursou também uma pós-graduação em Gestão Empresarial. Serve à Igreja Adventista há 27 anos como professor de ensino religioso; pastor distrital; departamental em nível de Associação e União; presidente de Missão e Associação. Atualmente exerce sua atividade como pastor na Associação Paulista Oeste, na União Central Brasileira. É casado com a professora Luciana Ribeiro de Mattos, é pai de Thamires (estudante de jornalismo) e Lucas (estudante de Arquitetura).