Lição 6
01 a 07 de agosto
Possibilidades ilimitadas
Sábado à tarde
Ano Bíblico: Is 34-37
Verso para memorizar: “Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como Lhe apraz, a cada um, individualmente” (1Co 12:11).
Leituras da semana: 1Co 12:12; Mt 3:16-18; 1Co 12:7; 1:4-9; Mt 25:14-30

Deus nos chama a testemunhar Dele (At 1:8; Is 43:10). Testemunhar não é um dom espiritual especial que apenas algumas poucas pessoas possuem. É o chamado divino de cada cristão.

A Bíblia utiliza diferentes expressões para descrever nosso chamado diante de Deus. Devemos ser “a luz do mundo”, “embaixadores em nome de Cristo” e um “sacerdócio real” (Mt 5:14; 2Co 5:20; 1Pe 2:9). O mesmo Deus que nos chama para testemunhar e para servir nos habilita para a tarefa. Ele concede dons espirituais a cada cristão. Deus não chama os habilitados, que se sentem autossuficientes, mas transforma e habilita aqueles a quem chama. Assim como Ele dá salvação gratuitamente a todos os que creem, também lhes concede Seus dons gratuitamente.

Quando nos consagramos a Deus e dedicamos nossa vida ao Seu serviço, nossas possibilidades de servir são infinitas. “Não pode haver limite à utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o próprio eu, oferece margem à atuação do Espírito Santo em seu coração e vive uma vida inteiramente consagrada a Deus” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 159).

Na lição desta semana, estudaremos nossas possibilidades ilimitadas de serviço mediante o dom do Espírito Santo.

Domingo, 02 de agosto
Ano Bíblico: Is 38-40
Diferentes nos dons, unidos no serviço

Você já pensou como os discípulos eram diferentes uns dos outros? Sua origem, personalidade, temperamento e dons variavam bastante. Mas isso não foi uma desvantagem para a igreja. Tornou-se um ponto forte. Mateus, um cobrador de impostos, era preciso, exato e correto. Por outro lado, Pedro muitas vezes falava precipitadamente e era entusiasmado e impulsivo, mas também tinha qualidades naturais de liderança. João era bondoso e franco. André era sociável, extremamente consciente dos que o cercavam e sensível aos outros. Tomé tinha a tendência natural de questionar e muitas vezes duvidava. Cada um desses discípulos, embora tivesse personalidade e dons diferentes, foi poderosamente usado por Deus para testemunhar Dele.

1. Leia 1 Coríntios 12:12, 13, 18-22. Existe necessidade de pessoas com diferentes dons no corpo de Cristo, a igreja? Assinale a alternativa correta:

A.( ) Sim. Cada cristão tem uma função no corpo de Cristo.

B.( ) Não. Todos têm a mesma função e os mesmos dons no corpo de Cristo.

Deus Se alegra em tomar pessoas de diferentes origens, com diversos talentos e habilidades, para lhes conceder dons para o serviço. O corpo de Cristo não é um grupo homogêneo. Não é um clube de campo com pessoas da mesma origem e mesmo pensamento. É um movimento dinâmico de pessoas com diferentes dons, unidas no amor a Cristo e às Escrituras e comprometidas em compartilhar Seu amor e verdade com o mundo (Rm 12:4; 1Co 12:12). Os membros do corpo de Cristo têm dons diferentes, mas cada um é valioso; cada um é decisivo para o funcionamento saudável do corpo de Cristo. Assim como os olhos, ouvidos e nariz têm funções diferentes, mas são necessários para o corpo, todos os dons também são necessários (1Co 12:21, 22).

Se ponderarmos cuidadosamente sobre o corpo humano, mesmo as partes “menos importantes” têm uma função crucial. Considere os cílios. E se não tivéssemos algo aparentemente insignificante como os cílios? As partículas de poeira embaçariam nossa visão, e as consequências seriam danos irreparáveis. O membro aparentemente mais “insignificante” da igreja é uma parte essencial do corpo de Cristo e recebeu o dom do Espírito Santo. Para Deus, todos são importantes e úteis. Quando dedicamos totalmente nossos dons a Deus, cada um de nós pode fazer uma diferença eterna.

Embora você seja talentoso, em quais coisas você não é tão bom assim, enquanto ou tros na igreja o são? Isso o ajuda a se manter em atitude de humildade?
Segunda-feira, 03 de agosto
Ano Bíblico: Is 41-44
Deus: o Doador de todos os dons

De acordo com 1 Coríntios 12:11, 18, Efésios 4:7, 8 e Tiago 1:17, Deus é o originador de todas as dádivas, e “todo dom perfeito” vem Dele. Portanto, podemos ter a certeza de que Ele nos concederá os dons do Espírito Santo mais adequados à nossa personalidade e usará da melhor maneira nossas habilidades para servir à Sua causa e glorificar Seu nome.

2. Leia Marcos 13:34 e 1 Coríntios 12:11. A quem Deus concede dons espirituais? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:

A.( ) A apenas alguns indivíduos mais capazes.
B.( ) A cada um, individualmente, de acordo com a vontade divina.

Deus tem uma tarefa especial para cada um na obra de compartilhar o evangelho. Na parábola do proprietário que deixa a casa aos cuidados de seus servos, ele lhes dá o trabalho designado (Mc 13:34). Há uma tarefa para cada um, e Deus concede dons espirituais a todos, para que realizem a tarefa ou ministério a que são chamados. Quando entregamos a vida a Cristo e, por meio do batismo, tornamo-nos membros de Seu corpo (a igreja), o Espírito concede dons para que sirvamos ao corpo e testemunhemos ao mundo.

Em 1903, Ellen G. White escreveu uma carta a certo homem para encorajá-lo a usar no serviço os dons que Deus lhe havia concedido. “Somos todos membros da família de Deus; a todos nós, em maior ou menor grau, foram confiados talentos dados por Deus, e somos responsáveis por sua utilização. Seja nosso talento grande ou pequeno, devemos usá-lo no serviço de Deus e reconhecer o direito de todos os outros de usar os dons que lhes são confiados. Nunca devemos menosprezar o menor capital físico, intelectual ou espiritual” (Carta 260, 2 de dezembro de 1903).

3. Leia Atos 10:36-38, Mateus 3:16-18 e Atos 2:38-42. O que esses textos revelam sobre a promessa do Espírito Santo no batismo?

__________________________________________

Assim como Jesus foi ungido com o Espírito Santo em Seu batismo a fim de prepará-Lo e habilitá-Lo plenamente para Seu ministério no mundo, cada um de nós tem a promessa do Espírito Santo no batismo. Deus deseja que estejamos certos de que Ele cumpre Sua Palavra e concede dons 
espirituais para abençoar Sua igreja e o mundo.

Terça-feira, 04 de agosto
Ano Bíblico: Is 45-48
O propósito dos dons espirituais

4. Leia 1 Coríntios 12:7 e Efésios 4:11-16. Por que Deus concede dons espirituais a cada cristão? Quais são os propósitos desses dons?

______________________________________

Os dons espirituais servem a vários propósitos. Deus os concede para nutrir e fortalecer Sua igreja a fim de cumprir Seu ministério. Eles foram designados para desenvolver uma igreja unificada, pronta para cumprir Sua missão no mundo. Os escritores bíblicos nos deram exemplos de dons espirituais que Deus concede à Sua igreja, como ministério, serviço, proclamação, ensino, encorajamento e doação. Eles também falaram sobre os dons da hospitalidade, misericórdia, assistência e alegria, entre outros. Para uma lista mais completa, leia Romanos 12 e 1 Coríntios 12.

Você pode estar se perguntando sobre a relação entre dons espirituais e talentos naturais. Os dons espirituais são qualidades divinamente comunicadas pelo Espírito Santo a cada cristão a fim de habilitá-lo para seu ­ministério especial na igreja e serviço ao mundo. Eles também podem incluir talentos naturais santificados pelo Espírito Santo e usados no serviço de Cristo. Todos os talentos naturais são dados por Deus, mas nem todos são usados no serviço de Cristo.

“Os dons especiais do Espírito não são os únicos talentos representados na parábola. Esta inclui todos os dons e talentos, originais ou adquiridos, naturais ou espirituais. Todos devem ser empregados no serviço de Cristo. Tornando-nos discípulos Dele, rendemo-nos a Ele com tudo o que somos e temos. Ele nos devolve, então, essas dádivas purificadas e enobrecidas para que as utilizemos para Sua glória em abençoar nossos semelhantes” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 328).

Além disso, Deus estabeleceu dons especiais, como o dom de profecia e ofícios específicos na igreja, incluindo pastores e anciãos, que são professores no corpo de Cristo a fim de nutrir e habilitar cada membro para o serviço (veja Ef 4:11, 12). A função de toda a liderança da igreja é ajudar os membros a descobrir seus dons espirituais e ensiná-los a usá-los para edificar o corpo de Cristo.

Quais são seus talentos naturais que, por mais úteis e benéficos que sejam em um ambiente secular, também podem ser uma bênção para a igreja?
Quarta-feira, 05 de agosto
Ano Bíblico: Is 49-51
Descobrindo os dons

5. Compare 1 Coríntios 1:4-9 com 2 Coríntios 1:20-22. O que essas passagens revelam sobre as promessas de Deus, especialmente a respeito dos dons espirituais antes da segunda vinda de Cristo?

______________________________

Deus promete que Sua igreja manifestará todos os dons do Espírito Santo pouco antes do retorno de nosso Senhor. Suas promessas são certas. Ele nos deu o testemunho do Espírito Santo em nosso coração para guiar cada um de nós a uma compreensão dos dons que Ele nos concedeu. Deus é quem dá os dons e mediante Seu Espírito os revela a nós.

6. Leia Lucas 11:13, Tiago 1:5 e Mateus 7:7. Se desejamos descobrir os dons que Deus deu a cada um de nós, o que Ele nos convida a fazer?

____________________________

Recebemos os dons do Espírito ao nos consagrarmos a Deus e pedirmos que Ele nos revele os dons que nos deu. Quando nosso coração é esvaziado de glória pessoal e nossa prioridade é servir a Jesus, Seu Espírito nos impressiona com os dons espirituais que Ele tem para nós. “Somente quando os discípulos se renderam plenamente à Sua atuação em fé e súplicas foi derramado sobre eles o Espírito Santo. Então os bens do Céu foram concedidos aos seguidores de Cristo em sentido especial [...]. Esses dons já são nossos em Cristo, mas a posse real depende de nossa recepção do Espírito de Deus” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 327).

Os dons espirituais (veja 1Co 12:4-6) são qualidades transmitidas por Deus para que possamos servi-Lo efetivamente. Os ministérios são as áreas gerais em que podemos expressar nossos dons, e as atividades são os eventos específicos que nos permitem usá-los. Os dons espirituais não vêm completamente desenvolvidos. Quando o Espírito Santo o impressionar com alguma área de serviço, ore para que Ele o guie a um ministério específico para exercitar seu dom por meio de uma atividade de evangelismo.

Quais são seus dons específicos e, mais importante, como você pode aperfeiçoá-los para o serviço do Senhor?
Quinta-feira, 06 de agosto
Ano Bíblico: Is 52-55
Desenvolvendo os dons

7. Leia a parábola dos talentos, em Mateus 25:14-30. Qual pensamento mais significativo se destaca nessa história? Por que os dois primeiros servos foram elogiados por Deus e o último servo, condenado? O que essa parábola revela sobre o uso de nossos talentos? Observe especialmente Mateus 25:29.

____________________________________

O mestre deu a cada servo talentos de acordo com a “própria capacidade” deles (Mt 25:15). Cada indivíduo recebeu uma quantia diferente. Um recebeu cinco talentos, outro dois, e o terceiro, um. Cada servo teve a possibilidade de escolher como investir ou usar os talentos que lhes foram dados. A parábola tem um ponto crucial: os talentos que eles receberam não eram deles. Pertenciam a outra pessoa que lhes tinha dado a incumbência de administrá-los.

A preocupação do mestre não era quem tinha talentos superiores ou inferiores. O importante não era quantos talentos cada um tinha. O essencial era saber o que cada um tinha feito com o que havia recebido.

Paulo abordou a questão desta maneira: “Se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem” (2Co 8:12). Para Deus, o que importa não é tanto o que você tem, mas o que você faz com o que você tem.

Deus elogiou os dois primeiros servos porque eles foram fiéis no uso de seus talentos. Os talentos deles se desenvolveram com o uso. O servo “mau” não usou os recursos que o mestre lhe havia concedido, e eles não se desenvolveram. É uma verdade eterna que “a lei de servir torna-se o vínculo que nos liga a Deus e ao nosso semelhante” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 326). O servo infiel desperdiçou sua oportunidade de servir e acabou perdendo a capacidade de servir.

Quando usamos os dons que Deus nos deu para a glória de Seu nome, eles se expandirão e crescerão. Como podemos descobrir os dons que Deus nos concedeu? Humildemente, ore para que Ele revele as áreas em que deseja que você sirva no ministério. Quando Ele impressionar sua mente, envolva-se. Seus dons se desenvolverão à medida que você os usar, e por isso encontrará satisfação no serviço do Senhor.

Pense nessa parábola e aplique-a à sua vida. O que você está fazendo com o que recebeu de Deus? (Lembre-se: tudo o que você tem é dom de Deus).
Sexta-feira, 07 de agosto
Ano Bíblico: Is 56-58
Estudo adicional

Texto de Ellen G. White: Parábolas de Jesus, p. 325-365 (“Como Enriquecer a Personalidade”).

A correta compreensão do ensino bíblico acerca dos dons espirituais traz unidade à igreja. O reconhecimento de que cada um de nós é um membro valioso e necessário ao corpo de Cristo é um pensamento unificador. Todo membro da igreja é importante para o cumprimento da missão de Cristo. Cada um foi dotado para o serviço.

“A todos é dada uma obra a fazer pelo Mestre. A cada um de Seus servos são concedidos dons especiais ou talentos. ‘A um deu cinco talentos, e a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua capacidade’ (Mt 25:15). Cada servo tem algum legado pelo qual é responsável, e os vários legados são proporcionais às nossas várias habilidades. Distribuindo Seus dons, Deus não agiu com parcialidade. Ele distribuiu os talentos de acordo com as aptidões conhecidas de Seus servos e espera retorno correspondente” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 2, p. 282).

Lembre-se também de que os dons do Espírito são dados para a glória de Deus, não para a nossa. Deus os concedeu para exaltar Seu nome e para o avanço de Sua causa.

Perguntas para consideração

1. Cada um de nós recebeu dons de Deus. Quais implicações práticas isso tem para sua igreja? Que diferença isso faz no envolvimento de cada membro no serviço?

2. Compartilhe com a classe da Escola Sabatina como os dons de outros membros o abençoaram. Compartilhe de que modo você descobriu seus dons espirituais. Quais são eles e como você os usa para abençoar os outros?

3. A lição destacou que nossos dons crescem à medida que os usamos. Reflita sobre sua vida. Quais dons se expandiram quando você os usou para a glória do nome de Deus? Você é fiel ao que Deus lhe concedeu?

Respostas e atividades da semana: 1. A. 2. F; V. 3. Quando somos batizados nas águas, recebemos o dom do Espírito Santo, exatamente como ocorreu com Jesus, por ocasião de Seu batismo. 4. O Senhor nos concede os dons espirituais para um fim proveitoso. Seu desejo é que aperfeiçoemos nosso serviço aos outros, que sejamos unidos na fé e tenhamos um pleno conhecimento do Filho de Deus. 5. O Senhor nos fez promessas e certamente as cumprirá. Ele nos concederá todos os dons necessários à Sua obra, principalmente antes da segunda vinda de Cristo. 6. Pedir ao Senhor e certamente Ele nos concederá a sabedoria para descobrir os nossos dons e usá-los com eficiência. 7. Comente com a classe. Os dois primeiros servos foram elogiados porque multiplicaram seus talentos. O último servo foi condenado porque enterrou seu talento. Nossos dons precisam ser multiplicados e ­gerar rendimento para o reino de Deus. Caso contrário, eles nos serão tirados.

Resumo da Lição 6
Possibilidades ilimitadas

Texto-chave: 1Co 12:1-11
Foco de Estudo: 1Co 12:12-22; Rm 12:3-8; Ef 4:7-16

ESBOÇO

A lição desta semana examina o tema dos dons espirituais na Bíblia. Muitos cristãos perguntam a si mesmos sobre os dons do Espírito Santo: O que são dons espirituais? Eles são reservados para apenas alguns supercristãos ou são para todos os crentes? Como descubro meus dons e qual é o propósito deles?

Os dons espirituais estão intimamente ligados ao ministério do Espírito Santo. A razão pela qual as Escrituras os chamam de dons “espirituais” é que eles são dons, habilidades ou talentos transmitidos pelo Espírito Santo a cada crente, para a glória de Deus. Não são dados pelo Espírito para nos gloriarmos. Portanto, não devem ser usados em exibicionismo egoísta para mostrar que somos talentosos nem para chamar a atenção para nós mesmos. Corretamente entendidos, todos os dons do Espírito Santo servem a dois propósitos essenciais: nutrir ou fortalecer o corpo de Cristo e cumprir a missão de alcançar o mundo com o evangelho. Dons espirituais são transmitidos a cada crente e têm funções diferentes. Em Cristo, todos têm o mesmo valor, mas não temos os mesmos papéis nem os mesmos dons. Essa diversidade de dons fortalece a igreja e seu testemunho ao mundo e é uma força, não fraqueza. É o Espírito Santo que escolhe quais dons dar a cada crente, com base em seus antecedentes, cultura e personalidade à luz das necessidades sentidas na comunidade da igreja. O Espírito sabe quais dons devem ser concedidos, pois Ele conhece melhor quais trarão satisfação no serviço de Cristo e maior bênção para a igreja e o mundo.

COMENTÁRIO

O apóstolo Paulo começou 1 Coríntios 12 com estas palavras: “A respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes” (1Co 12:1). O apóstolo Paulo passou todo o capítulo de 1 Coríntios 12, a maior parte de Romanos 12 e grande parte de Efésios 4
discorrendo sobre o tema dos dons espirituais. Ele faz isso porque é vital um entendimento adequado dos dons para a edificação e crescimento da igreja.

Primeiramente, vamos responder a algumas perguntas básicas sobre os dons espirituais: O que são dons espirituais? Qual é a diferença entre os dons e os talentos naturais? Quem os recebe? Qual é o seu propósito e por que são dados?

Dons espirituais são qualidades concedidas pelo Espírito Santo, especificamente para edificar o corpo de Cristo e permitir que os crentes sejam testemunhas eficientes no mundo. Esses dons são o canal pelo qual flui nosso ministério para Cristo.

Todos, mesmo os incrédulos, podem ter muitos talentos naturais. É claro que todas as nossas habilidades, sejamos crentes ou não, vêm de Deus. Todo talento que temos é dado por Ele. Os dons espirituais, no entanto, são diferentes dos talentos naturais em dois aspectos distintos: na maneira como são empregados e onde são usados. A motivação para os talentos naturais pode ser a autoglorificação. A motivação no uso dos dons espirituais é sempre glorificar a Deus. Os talentos naturais costumam ser usados para promover a posição de alguém no mundo. Dons espirituais são usados de forma desinteressada para abençoar e expandir a igreja.

Os dons do Espírito são prometidos a todos que entregam a vida a Cristo. Sobre eles, o apóstolo Paulo declarou: “Um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as como Lhe apraz, a cada um, individualmente” (1Co 12:11).

Quando entregamos a vida a Jesus, o Espírito Santo dá os dons para testemunho e serviço. Indivíduos não convertidos podem ter talentos naturais em alguma área específica. Quando convertidos, o Espírito muitas vezes redireciona ou confere novo propósito a esses talentos naturais para a glória de Deus e o avanço da causa de Cristo. Há também momentos em que o Espírito Santo concede dons que as pessoas jamais imaginaram que poderiam ter. Elas encontram satisfação em usar seus dons recém-descobertos para o serviço do Senhor. Como parte do corpo de Cristo, sentem alegria em dar sua contribuição para edificar a igreja e participar de sua missão.

De acordo com 1 Coríntios 12:11, o Espírito Santo distribui dons espirituais “a cada um, individualmente”. O Espírito Santo não dá o mesmo dom a todos, mas concede dons a cada crente, sem negligenciar ninguém. Cada crente compartilha dos dons do Espírito. Ellen G. White
ressalta essa verdade vital: “A toda pessoa é atribuído algum dom ou talento peculiar que deve ser usado para promover o reino do Redentor” (Testemunhos Para a Igreja, v. 4, p. 618).

Enfatize que cada membro da sua classe da Escola Sabatina recebeu dons espirituais por meio do ministério do Espírito Santo. Se crermos na Palavra de Deus, podemos agradecer-Lhe pelos dons que nos concedeu, orar para que os revele e, quando o fizer, usá-los para Sua glória. O Espírito não concede dons a poucos negligenciando ou ignorando outros que podem parecer menos talentosos. Ele transmite os dons de Deus a cada um individualmente, como Lhe apraz.

Ilustração: O Espírito Santo escolhe os dons

Vamos supor que seja aniversário de um amigo seu. Quem escolhe o presente que você dará? Você, é claro! Lembro-me de que, quando eu era garoto, fazia minha lista de presentes, mas eram meus pais que escolhiam o que iriam me dar. Na maior parte das vezes, a escolha que faziam era muito melhor do que a escolha que eu teria feito. Eles sabiam melhor que eu o que me deixaria feliz.

O Espírito Santo sabe quais dons conceder a cada crente para melhor glorificar Jesus em sua vida. “O Espírito Santo distribui os dons de acordo com Seu conhecimento das capacidades e das necessidades de cada indivíduo. Não é uma distribuição arbitrária, mas baseada em conhecimento e compreensão supremos” (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, v. 6, p. 849). Essa deve ser uma grande fonte de encorajamento para nós. Temos a certeza absoluta de que não apenas o Espírito Santo nos confere dons, mas também que eles são exatamente o que precisamos para sermos testemunhas mais eficientes de Cristo. Os dons que você tem são os que o Espírito Santo considerou mais necessários para seu crescimento espiritual e o avanço da causa do Senhor.

A variedade de dons contribui para o corpo de Cristo

Embora a igreja seja um corpo, é composta por uma variedade de membros, todos contribuindo para o único objetivo de revelar Cristo ao mundo por meio do testemunho. Ao escrever para os membros da igreja em Roma, o apóstolo Paulo declarou: “Assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros, tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada” (Rm 12: 5, 6). O apóstolo amplia esse pensamento em 1 Coríntios 12:12: “Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo.” Ao discutir a analogia do corpo de Cristo, existem algumas coisas importantes para enfatizar. No corpo humano, cada membro tem uma função. Não há membros inativos, todos desempenham determinados papéis e têm sua função específica. Os membros contribuem para o bem-estar geral do corpo. A igreja precisa de membros ativos e comprometidos em contribuir para a saúde geral da igreja, o corpo de Cristo.

Em 1 Coríntios 12, Romanos 12 e Efésios 4, a Bíblia nos dá exemplos de alguns dos dons que Deus coloca em Sua igreja. Alguns dons capacitam os cristãos a cumprir funções, como apóstolos, profetas, professores, evangelistas e pastores, que têm guiado a igreja ao longo dos séculos. O objetivo desses dons de liderança é facilitar a unidade, promover o crescimento espiritual e capacitar os membros da igreja para a missão. Essas mesmas passagens também falam de dons para o ministério de cada crente, os quais podem ser, por exemplo, hospitalidade, liberalidade, ajuda, misericórdia, fé e cura.

Muitos desses dons são qualidades de um coração convertido. Todos devemos mostrar hospitalidade a outros em nossa caminhada diária com Cristo. Cada crente é chamado a ser liberal em seus padrões de doação. Ajuda ou apoio a outras pessoas e misericórdia fazem parte da vida de todo cristão. Todos devemos procurar maneiras de abençoar e ministrar a graça curativa de Deus para os outros. Se essas qualidades são a resposta natural do coração convertido a ser revelado na vida de todos os crentes, por que são considerados dons espirituais selecionados pelo Espírito Santo para alguns e não para todos?

A resposta é simples: embora todos os crentes sejam chamados a revelar um espírito hospitaleiro e bondoso, nem todos os crentes são chamados ao ministério especial da hospitalidade. Enquanto todos somos chamados a ser liberais, nem todos somos chamados a um ministério em que a liberalidade se torna nosso meio de serviço a Cristo. A conversão traz mudanças de vida. Desejamos revelar diariamente as qualidades de uma vida cristã. O Espírito
Santo amplia e expande essas qualidades e, ao fazê-lo, algumas delas se tornam nosso canal de serviço na igreja. Às vezes, Ele transmite qualidades totalmente novas como dons espirituais, a fim de descobrirmos nosso papel mais satisfatório e produtivo no corpo de Cristo.
Como afirma o apóstolo Paulo, isso cria uma “cooperação de cada parte”, de modo que o corpo “efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor” (Ef 4:16).

Aplicação para a vida

Se o Espírito Santo concede dons espirituais a todos os crentes para a edificação da igreja de Deus e seu testemunho no mundo, como podemos descobrir nossos dons espirituais? Aqui estão algumas etapas simples que você pode compartilhar com a classe. Convide os alunos a:

1. Dizer a Deus que acreditam que Ele lhes concedeu dons espirituais e pedir que Ele os revele. As Escrituras dizem: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (Tg 1:17). O Deus que concede Seus preciosos dons a cada um de nós os revelará por meio do Seu Espírito Santo, quando Lhe pedirmos (Lc 11:13).

2. Aconselhar-se com líderes espirituais sobre como Deus os está guiando e as áreas de serviço às quais podem estar disponíveis e abertos.

3. Começar a usar os dons que Deus revela. O propósito dos dons que Deus concede é o serviço. Quando começarmos a usá-los, eles se expandirão, e nossas habilidades aumentarão. Nossos dons espirituais não são totalmente desenvolvidos. Tornamo-nos mais eficientes em nosso serviço e nossos dons aumentam à medida que os usamos. Como Ellen G. White afirmou: “Aquele que se entregar inteiramente ao Senhor será guiado pela mão divina. Poderá ser humilde e aparentemente não dotado de dons; contudo, se com um coração amoroso e confiante obedecer a toda manifestação da vontade de Deus, suas faculdades serão purificadas, enobrecidas e revigoradas, e sua capacidade será aumentada” (Atos dos Apóstolos, p. 283).

Ao usarmos os dons que Deus nos deu, encontraremos alegria, satisfação e eficiência em nosso serviço a Cristo. Outros confirmarão nosso dom em uma área específica, e a igreja será abençoada.

Voz doce e gentil

O ciúme mudou a vida do policial Jean Obame-Efayong. Todas as noites, a esposa, Rosette, chegava tarde em casa em Libreville, capital do país africano ocidental do Gabão. Sua imaginação corria solta e ele temia o pior. Finalmente, certo dia ele resolveu perguntar o que ela estava fazendo. “Estava na casa da minha irmã”, foi a resposta. Na noite seguinte, ele fez a mesma pergunta. Ela deu a mesma resposta, e assim aconteceu todas as demais noites.

Jean não acreditava que a esposa passasse tanto tempo na casa da irmã; por isso, uma noite ele pediu que o levasse a casa da irmã. Rosette o levou a uma igreja, onde havia uma placa escrita: “Vida eterna.” O marido ficou surpreso ao ver uma igreja em vez da casa da cunhada, mas ficou aliviado porque ela estava frequentando uma igreja e não fazendo nada suspeito. A igreja misturava crenças do cristianismo e crenças africanas tradicionais.

Durante três noites seguidas, ele foi à igreja para ver se Rosette realmente a estava frequentando. Porém, ficava fora de igreja observando. Na quarta noite, uma jovem proprietária das instalações da igreja perguntou o que ele estava fazendo. “Porque você não entra?”, ela questionou, acrescentando: “Entre ou não volte nunca mais.” Jean entrou. A igreja foi interessante e os membros muito acolhedores. Quando ele teve uma experiência fora-do-corpo – um fato inédito na religião tradicional africana – os membros o designaram líder da igreja. Durante a semana, Jean trabalhava como policial e, aos finais de semana, dirigia a igreja.

Certo dia, Rosette parou de repente de frequentar os cultos. Mas, antes de saber o motivo, ela morreu durante o parto. Atormentado, Jean reavaliou seu compromisso com a igreja e orou: “Se essa não for a igreja verdadeira, ajude a sair sem grandes complicações.” Ele não retornou à igreja e não sofreu nenhuma discriminação.

Após três anos, Jean estava caminhando para casa quando viu uma grande tenda montada no campo de futebol perto de sua casa. Ele ouviu uma voz doce e gentil falar ao coração. “Senhor, viemos aqui por você”, a voz disse. Jean parou e procurou quem estava falando com ele, mas não viu ninguém. Ele deu mais um passo e a voz falou com ele novamente: “Senhor, entre e sente-se para ouvir a mensagem do evangelho.”

Jean entrou na tenda e se sentou em uma cadeira nos fundos. Era a primeira noite de uma série evangelística de dez dias. O evangelista adventista realizou um apelo e Jean se sentiu tocado. Na noite seguinte, ele voltou com um papel e caneta para fazer as anotações.

Quando estava nos cultos, ele sentia uma urgência irresistível de ser batizado. Em casa, sentia o mesmo desejo. Então, decidiu falar com o evangelista. “Não sei nada sobre sua igreja, mas, todo o tempo penso no batismo”. disse. O evangelista sorriu. “O Senhor tem Se revelado a você”, disse. “Venha e seja batizado!” Jean foi batizado.

Hoje, ele é membro ativo da igreja. Diariamente, ele se lembra da voz doce, gentil que ouviu enquanto passava pela tenda. “A voz me ajudou a encontrar o caminho certo. Jesus vive em mim”, ele afirma.

Há três anos, parte da oferta trimestral ajudou a construir uma escola de Ensino Médio para 280 alunos na cidade natal de Jean, Libreville, Gabão. Obrigada pela generosidade nas ofertas deste trimestre. Elas contribuirão para construir escolas em dois países africanos: Guiné e Libéria.

Dicas da história

  • • Assista ao vídeo sobre Jean no YouTube: bit.ly/Jean-Obame-Efayong.
  • • Faça o download das fotos no Facebook (bit.ly/fb-mq) ou banco de dados ADAMS (bit.ly/sweet-gentle-voice).
  • • Faça o download das fotos dos projetos do trimestre bit.ly/WAD-2020.

Comentário da Lição da Escola Sabatina – 3º Trimestre de 2020
Tema Geral: Como interpretar as Escrituras
Lição 6 – 1º a 7 de agosto de 2020

Possibilidades ilimitadas

Autor: César Luís Pagani
Editor: André Oliveira Santos: andreoliveirajoc@gmail.com
Revisora: Josiéli Nóbrega

Por causa do inexprimível amor de Deus em Cristo, o Senhor doou todo o Céu aos seres humanos. Considere ponderadamente este verso: “Aquele que não poupou o Seu próprio Filho, antes, por todos nós O entregou, porventura, não nos dará graciosamente com Ele todas as coisas?” (Rm 8:32).

Ora, o que quer dizer isso? Que todas as coisas criadas por Deus nos pertencem em Cristo. Dando-nos o Salvador, o Senhor supremo não deixou de fora nenhum dom, poder nem possibilidade.

Pensemos agora na capacitação para o testemunho. Como discípulos de Cristo, somos semelhantes a jarros de barro. Há jarros com capacidade natural maior e outros com menor capacidade. Mas todos podem receber conteúdos. Na parábola dos talentos ninguém ficou de fora, isento de responsabilidade ou como simples expectador. Todos receberam dotações, uns mais outros menos. Lembremo-nos de que os dons são distribuídos de acordo com a vontade do Espírito Santo, segundo a capacidade de receber e utilizar, adequando-se à nossa personalidade, recursos pessoais de aplicação, temperamento e capacidade intelectual inicial.

Na história da igreja reformada, temos um exemplo nítido da concessão de dons a dois homens excepcionais: Martinho Lutero e Felipe Melanchton. Lutero, de forte personalidade, enérgico, combativo, poderoso em palavras; Melanchton era um erudito, escritor, professor de grego, de temperamento mais tímido, mais reservado, mais próprio para o trabalho dos bastidores. Porém, os dois foram grandes reformadores. O Espírito os usou para combater a teologia escolástica e implantar a teologia escriturística.

Analise as listas dos dons espirituais expostas em 1 Coríntios 12:28, 8-11; Romanos 12:6-8; 1 Coríntios 7:7; Efésios 4:11-12; 1 Pedro 4:11. Todo esse aparato de habilitações serve ao propósito divino de edificação da igreja e de cumprimento missiológico.

Paulo aconselhou: “Entretanto, procurai, com zelo, os melhores dons” (1Co 12:31). Mas, por que procurar os dons? Não é o Espírito que os concede? Há tensão contraditória entre os dois ensinamentos? Na verdade, trata-se de aplicar-se zelosamente para desenvolver o melhor dom que recebeu. O Seventh Day Adventist Bible Commentary [Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia], edição eletrônica, p. 5512, apresenta nestes termos a questão: “Os coríntios foram admoestados a continuar suplicando insistentemente ao Senhor para que derramasse Seu Espírito sobre eles e lhes concedesse dons que fossem mais necessários ao desempenho de sua parte na obra divina. O dom inicial não é, necessariamente, o dom final. Como no parábola dos talentos (Mt 25:14-30), a fidelidade ao dever pode levar a um aumento dos dons.”

A versão Good News Bible colocou assim o texto em estudo: “Ponha o seu coração nos mais importantes dons.”

Palavras ensinadas pelo Espírito

Em 1 Coríntios 2:13 lemos que o Espírito ensina palavras. Combinemos esse texto com o que Jesus disse em Mateus 10:19, 20: “E, quando vos entregarem, não cuideis em como ou o que haveis de falar, porque, naquela hora, vos será concedido o que haveis de dizer, visto que não sois vós os que falais, mas o Espírito de vosso Pai é quem fala em vós.” Glória ao Senhor!

Dons e organismo humano

Consideremos estes três textos: Romanos 12:4, 5: “Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros.” 1 Coríntios 12:12: “Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo.” 1 Coríntios 12:20: “O certo é que há muitos membros, mas um só corpo.”

O corpo humano tem 14 sistemas: cardiovascular, respiratório, digestório, nervoso, sensorial, endócrino, excretor, urinário, reprodutor, esquelético, muscular, imunológico, linfático e tegumentar. E cada um deles é dividido em vários órgãos que, por sua vez, se subdividem em sistemas menores. A unidade com que trabalham é que proporciona a vida.

A igreja tem muitos membros distribuídos em muitos ministérios, segundo o seu dom. Os muitos dons empregados com zelo na causa de Cristo, habilitados e auxiliados pelo poder do Espírito Santo, atuam num leque de possibilidades gigantescas.

Certo homem foi contratado para realizar uma obra. Sua tarefa era cavar o maior buraco que pudesse em um dia. O contratante saiu e deixou-o à vontade para o trabalho. O contratado olhou em todo o terreno, abaixou-se e começou a cavar o buraco com as mãos. Passadas algumas horas, o patrão veio acompanhar o trabalho e encontrou um pequeno buraco; o homem estava com as mãos muito feridas.

O patrão ofereceu-lhe, então, algumas ferramentas (enxadas e picaretas). O homem apanhou as ferramentas e pôs-se a trabalhar. Passadas mais algumas horas, o patrão voltou e viu então um buraco bem maior, mas o servo estava muito cansado pelas horas trabalhadas e não mais conseguia prosseguir.

Então, o patrão ofereceu-lhe uma retroescavadeira de última geração. O rapaz ficou com raiva e disse ao contratante: “Mas o senhor possui uma retroescavadeira e eu posso usá-la?” “Sim”, respondeu o empregador. O jovem então perguntou: “Mas, por que o senhor não me disse antes?”

Ao que o homem respondeu: “Estava sempre à sua disposição, mas você não perguntou...”

Aplicando aos dons espirituais, muitas vezes podemos ser ignorantes. Fazemos a obra de Deus com as mãos ou mesmo com enxadas, brocas, cavadeiras articuladas, etc., quando temos à disposição instrumentos muito mais poderosos para fazer buracos maiores no terreno inimigo.

Conheça o autor dos comentários para este trimestre: César Luís Pagani é jornalista, escritor e tradutor de inglês, francês, italiano e espanhol. Casado há 51 anos com Neusa Albamonte Pagani, é pai de três rapazes, César Augusto, Marcel e André, e avô de duas lindas netinhas: Bellinha e Bia. Trabalhou na Casa Publicadora Brasileira por 11 anos, primeiramente como designer gráfico no Departamento de Artes e depois como editor-associado das revistas Vida e Saúde, Nosso Amiguinho e do caderno de Notícias da Revista Adventista. Traduziu vários livros do Espírito de Profecia. Também trabalhou como tradutor para a revista Diálogo Universitário. Hoje é membro ativo na Igreja Adventista do Sétimo Dia Central Paulistana, onde atua como professor da Escola Sabatina e cantor do Coro Masculino Edificanto.